sábado

E se

E se você me der uma dose, eu a devoro.
E se você me der uma porção, eu a sorvo de uma vez.

E se me pedir, eu lamento.
E se disser que eu tenho, eu rio.

Isso que me consome, esse vicio que me segura, essa coisa que eu quero e não quero.

Para quê, para tudo. Sem ele nada é possível. E eu aqui sem ele.
Eu aqui com ele, sem usa-lo para o exigido.

Chega um momento em que a mente não suporta, ja não sabe para que serve, se é para tudo ou para nada.

Ah, Tempo, venha para mim, sorrindo por favor.

4 comentários:

Isadora disse...

tão profundo...inspirador!

Thiago disse...

Ele te dá uma dose.
Ele te dá uma porção.

Ele também quer, mas sabe que não pode pedir.
Ele só sabe que só com você está bom.

Ficar na toca e "estar" com você é quase o suficiente.
ESTAR é o pico. É o climax, a agulhada, o fim da abstinência, o esctasy... e nenhuma outra coisa no mundo importa.

Ah, Tempo, vá para ela, sorrindo e de braços abertos.

Só o tempo diz se é para tudo e parece pender para esse lado.

Thiago disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Thiago disse...
Este comentário foi removido pelo autor.